Em ótima companhia em qualquer lugar
Rádio Difusão, a sua melhor escolha
Sintonize conosco e fique por dentro de tudo
Ouça os melhores lançamentos musicais
Momento Nativo
Apresentação de Paulo Frizzo
Panorama de Notícias
Apresentação Amílton Drew e Edilon Flores

Campanhas do ‘Agosto Dourado’ incentivam amamentação e informação em tempos de pandemia

Publicado 12/08/2020 às 04:16

*Por Nicola Ferreira, da Agência Einstein

Em 2017, agosto tornou-se o mês do Aleitamento Materno. Também conhecido como Agosto Dourado, a data foi instituída no Brasil para ampliar o período de sete dias dedicado à promoção e intensificação de ações para conscientização sobre a importância da amamentação. Neste ano atípico, em que o distanciamento social é importante na prevenção do novo coronavírus e dúvidas sobre a transmissão ao bebê pelo leite materno ou contato da mãe que teve a doença são frequentes, o incentivo ao ato ganhou um novo apelo: informação.

Para este ano, a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) adotou como tema Amamentar é cuidar do planeta, cuidar da comunicação e cuidar em tempos de Covid-19. Oito meses depois do primeiro caso de Covid-19 no mundo, ainda não há estudo científico que prove que a doença seja transmitida pelo leite. “A amamentação não deve parar, nem em casos de mães infectadas”, aconselha a SBP.

Isso porque a amamentação diminui o risco de doenças crônicas, infecções e alergias nos pequenos. “O leite materno é o melhor alimento para o recém-nascido. Ele vem com todos os nutrientes e na quantidade necessária. Ajuda na transmissão de anticorpos da mãe para o bebê que melhoram a imunidade e previne infecções. Além disso, crianças que mamam tendem a ter menos risco de obesidade”, afirma a pediatra do Hospital Israelita Albert Einstein, Romy Schmidt.

Nas mulheres, a amamentação reduz o risco de câncer de mama, ovários e endométrio e oferece benefícios nutricionais. Especialmente quando ocorre na primeira hora de vida do bebê, ela permite a liberação de hormônios que previnem a hemorragia pós-parto. Além da prevenção do sangramento, essa descarga hormonal auxilia no retorno do útero ao seu tamanho normal.

Os benefícios do leite materno não param por aí. A campanha da SBP lembra que amamentar é um ato de cuidado com o planeta: “Não gera resíduos, nem demanda preparo. Evita desperdícios e não requer logística, reduzindo a pressão por áreas de pastagens e a emissão de gases tóxicos”.

As dificuldades na amamentação
Ter dificuldades para amamentar não é incomum. As razões são variadas, mas na maioria das vezes têm solução. “Pode estar relacionado ao uso de alguma medicação, à redução das mamas, ansiedade ou quadro de depressão pós-parto”, relata Romy. Com a evolução da cirurgia plástica, as cirurgias de redução ou retirada da mama estão afetando menos o tecido mamário, responsável pela produção do leite. Para o último caso, a rede de apoio familiar é fundamental. A partir de pequenas ações, pode ser desenvolvida uma relação com o bebê e consequentemente é feita a amamentação.

Principais orientações para uma amamentação tranquila
• Amamente em lugares confortáveis e arejados – Quanto mais tranquilo o espaço, mais calma vai ser a experiência para os dois. Caso seja possível, o recomendado é que o aleitamento seja feito em uma cadeira aconchegante que evite prejudicar as costas da mãe

• Amamentação exclusiva até os seis meses e com outros alimentos dois anos – De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), o mais recomendado é que o aleitamento seja feito exclusivamente até os seis meses. Após esse período, de acordo com orientações do pediatra, pode ser introduzido novos alimentos que sejam consumidos até os dois anos junto do leite materno.

• No começo, tente amamentar de três em três horas – Isso fará com que o bebê tenha uma rotina.

PUBLICIDADE