Em ótima companhia em qualquer lugar
Rádio Difusão, a sua melhor escolha
Sintonize conosco e fique por dentro de tudo
Ouça os melhores lançamentos musicais
PUBLICIDADE

Ministro da Saúde diz que a vacinação contra o coronavírus terá início simultâneo em todos os Estados brasileiros

Publicado 11/01/2021 às 03:21

Em Manaus (AM), nesta segunda-feira (11), o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, voltou a afirmar que a vacinação contra o coronavírus terá início simultâneo em todos os Estados brasileiros “no dia D e na hora H”.

Ele não deu uma data específica, mas disse que os brasileiros estarão sendo vacinados “três a quatro dias” após a aprovação do uso emergencial de qualquer vacina pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

Pazuello convocou os prefeitos de todo o País a deixarem as salas de imunização e depósitos refrigerados prontos para serem acionados logo após a aprovação de um imunizante. Pazuello acrescentou ainda que cada Estado precisa ter um plano de imunização próprio preparado devido às peculiaridades logísticas locais.

Eduardo Pazuello deu a declaração em visita a Manaus
Foto: Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Primeira dose

O ministro declarou que o programa de vacinação contra a Covid-19 do governo federal pode priorizar a aplicação da primeira dose no maior número possível de pessoas, antes que se inicie a aplicação de uma segunda dose.

Segundo o general, a vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford com a farmacêutica Astrazeneca, cuja produção será feita pela Fiocruz no Brasil, possui eficácia de 71% com a aplicação da primeira dose. “Com duas doses, você vai a 90%”, disse Pazuello.

“Talvez o foco seja não na imunidade completa, mas na redução da contaminação”, afirmou o ministro, explicando que, com uma primeira dose, a ideia é de que a pandemia vá “diminuir muito”. Após essa redução nas contaminações é que se começaria a aplicação de uma segunda dose.

Em Manaus, o ministro também apresentou ações de reforço ao plano de contingência para enfrentamento da Covid-19 no Amazonas, que prorrogou por mais 180 dias o estado de calamidade pública em razão da doença. Tanto a rede pública de saúde quanto a privada encontram-se com mais de 90% dos leitos ocupados, sejam normais ou de UTI, no Estado.

Por O Sul

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE