Em ótima companhia em qualquer lugar
Rádio Difusão, a sua melhor escolha
Sintonize conosco e fique por dentro de tudo
Ouça os melhores lançamentos musicais

COVID-19
– Comitê da AMAU constata números positivos na região, mas alerta: “não podemos relaxar”

Publicado 24/09/2020 às 02:16
Imagem: Pixabay

Imagem: Pixabay

O Comitê Regional de Atenção ao Coronavírus da Associação de Municípios do Alto Uruguai (AMAU), tendo em vista a publicação do Decreto nº 55.453/2020 que versa sobre a cogestão, implantou uma ferramenta de avaliação denominada Plataforma Regional de Monitoramento (PRM). Ela permite sistematizar inúmeros indicadores da Região 16 e serve como subsídio técnico para orientar a adoção da cogestão ou não, bem como para avaliar a evolução da epidemia regionalmente.

A plataforma utiliza dados oriundos das secretarias municipais de Saúde, hospitais regionais, hospitais com alas Covid e também do próprio Sistema de Distanciamento Controlado/RS. Isso possibilita a realização de paralelos que verificam a velocidade, o estágio e a incidência da epidemia, bem como a capacidade instalada da estrutura hospitalar.

Um dos gráficos que compõe a plataforma, entre outros, é o dos casos ativos.

Crédito: AMAU

Crédito: AMAU
“Verificamos, pelo gráfico, a evolução dos casos ativos, com os quais atualmente estamos com um baixo número, na ordem de 132, para um universo de 34 municípios, aproximadamente 240 mil habitantes”, detalha o Comitê.

Segundo o último boletim informativo (21/09), verificou-se que a região em tela possui 132 casos ativos e, em comparação com o boletim anterior (18/09), houve uma queda de 36 casos. Uma redução de 168 para 132, o que vem se confirmando nas últimas análises.

“Verificamos pelos nossos indicadores que ocorreu uma diminuição de casos ativos e isso é extremamente positivo. Significa que a taxa de recuperação está ascendente (95.61%), e no período avaliado ocorreram menos casos confirmados em comparação aos casos recuperados”, pontua Jackson Arpini, integrante do Comitê Regional.

Outro dado relevante a ser observado é que quanto menor o número de casos ativos, também menores são as possibilidades de internações hospitalares, tanto em leitos clínicos como em UTI. E esse dado, conforme o Comitê, é verificado com muito critério pelo Distanciamento Controlado/RS.

“Analisando o gráfico, constatamos que no período de 14/05 a 21/09 os casos ativos oscilaram de 39 até 543, e atualmente está em 132, o menor indicador das últimas 29 avaliações. A curva começa a dar sinais de decréscimo, porém não significa dizer que vencemos o coronavírus e nem a epidemia a nível regional”, argumenta Arpini.

Ele também salienta que, desde 26 de agosto, o Comitê observou as avaliações que apontam para números menores de casos ativos, passando de 303 para 132. Uma sinalização que a incidência de novos casos começa a diminuir em 56,43%.

“Precisamos manter latente a nossa linha de atuação regional, com ações integradas e articuladas. Apesar dos números positivos, não podemos relaxar nesse momento em que estamos avançando no enfrentamento da epidemia. Muito pelo contrário, necessitamos estar atentos e vigilantes, porque quando se trata da Covid surpresas podem surgir no horizonte. Para tanto, as medidas de prevenção são as nossas melhores armas de enfrentamento”, finaliza Arpini.

PUBLICIDADE