Em ótima companhia em qualquer lugar
Rádio Difusão, a sua melhor escolha
Sintonize conosco e fique por dentro de tudo
Ouça os melhores lançamentos musicais
Don't Stop I
Apresentação
J. Carlos Nicolai
Toca Tudo
Apresentação
Amílton Drews
PUBLICIDADE

Instituto Butantan envia à Anvisa o pedido de uso emergencial da CoronaVac no Brasil; vacina teve eficácia de 78%

Publicado 7/01/2021 às 01:36

O Instituto Butantan enviou nesta quinta-feira (07) para a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) o pedido de uso emergencial da CoronaVac, vacina contra o coronavírus produzida pelo laboratório chinês Sinovac em parceria com o centro de pesquisa brasileiro.

O governo de São Paulo informou que a CoronaVac teve eficácia de 78% na terceira fase de testes com 13 mil voluntários no Brasil. O resultado final do estudo sobre a eficácia é a última etapa necessária para que a Anvisa analise o pedido de autorização de uso da vacina na população brasileira.

“Esse resultado significa que a vacina desenvolvida pelo Instituto Butantan tem elevado grau de eficiência e eficácia para proteger a vida dos brasileiros contra a Covid-19. As pessoas que forem imunizadas com a vacina do Instituto Butantan terão entre 78% a 100% menos possibilidade de desenvolverem a Covid-19”, afirmou o governador João Doria (PSDB) em entrevista coletiva.

De acordo com o governo paulista, a vacina garantiu a proteção total (100%) contra mortes, casos graves e internações nos voluntários vacinados que foram contaminados pela Covid-19.

“As pessoas que receberam a vacina, em relação às que não receberam, não tiveram nenhum caso de Covid grave. Ou seja, a vacina protegeu 100% em relação a casos graves. Protegeu também 100% contra casos moderados. Ou seja, as pessoas vacinadas nesta população de alto risco foram protegidas da doença moderada e grave”, afirmou o diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas.

Segundo a Anvisa, o prazo para a análise do pedido de uso emergencial é de dez dias. Já a avaliação do pedido de registro definitivo é feita em até 60 dias. Em meados de dezembro, a Diretoria Colegiada da Anvisa aprovou as regras para a autorização temporária de uso emergencial, em caráter experimental, de vacinas contra a Covid-19.

Até a solicitação da CoronaVac, a Anvisa não havia recebido nenhum pedido para uso emergencial ou registro definitivo das outras vacinas que estão sendo testadas no Brasil.

O governo de São Paulo afirmou que espera que o uso emergencial seja autorizado pela agência até o dia 25 deste mês, data estipulada no plano estadual de imunização para início da vacinação de 9 milhões de pessoas dos grupos prioritários. Caso a vacina seja aprovada, profissionais da saúde, indígenas e quilombolas devem receber as primeiras doses, seguidos por idosos com mais de 60 anos.

Segundo a agência, o prazo para a análise do pedido de uso emergencial é de dez dias. Foto: Reprodução de TV

Testes

No Brasil, a vacina foi testada em 16 centros de pesquisas, nos Estados de São Paulo, Brasília, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Paraná, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul.

Cerca de 13 mil voluntários brasileiros, que atuam na linha de frente do combate ao coronavírus, participaram dos testes, que começaram em julho de 2020.

Por O Sul

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE