Em ótima companhia em qualquer lugar
Rádio Difusão, a sua melhor escolha
Sintonize conosco e fique por dentro de tudo
Ouça os melhores lançamentos musicais
Interatividade
Apresentação
Elton Dalla Rosa

Leite apresenta modelo de distanciamento social controlado que será adotado a partir de maio

Publicado 22/04/2020 às 09:08
Fotos: Felipe Dalla Valle/Palácio Piratini

Na transmissão pela internet, governador comparou avanço dos casos de coronavírus em países e nos estados                              Fotos: Felipe Dalla Valle/Palácio Piratini

O governo do Rio Grande do Sul apresentou, nesta terça-feira, 21, um primeiro modelo do distanciamento social controlado que deve ser adotado no Estado a partir de maio. Em sua transmissão diária ao vivo, o governador, Eduardo Leite, explicou as diretrizes e ressaltou que o modelo não corresponde a uma flexibilização aleatória, a uma abertura desordenada ou a uma volta à normalidade.

“O vírus não está indo embora, não está passando. Está entre nós, circulará ao longo dos próximos períodos, e vamos conviver com a situação. Por isso, precisamos do apoio da sociedade para evitarmos esse volume de contágio para além da nossa capacidade hospitalar. Tudo o que fizemos até agora foi priorizando a vida, e tudo o que faremos de agora em diante será priorizando a vida”, reforçou Leite.

O distanciamento social controlado vem sendo discutido há semanas pelo Executivo. Na primeira fase de combate ao coronavírus, foi necessário adotar medidas restritivas uniformes para evitar que a doença se espalhasse e que houvesse um número muito alto de infectados. “No entanto, cerca de 40 dias depois de o RS registrar o primeiro caso confirmado, o Estado já tem informações sobre o comportamento do vírus. Além disso, está munido de uma base de dados abrangente, que inclui resultados da pesquisa que vem sendo aplicada no Estado, coordenada pela Universidade Federal de Pelotas (UFPel), e informações do novo sistema de controle de leitos, que monitora informações, em tempo real, de 300 hospitais gaúchos”, detalha a assessoria de Comunicação do Palácio Piratini.

A partir desses dados, conforme o governo, sempre levando em consideração evidências científicas, o distanciamento social controlado se baseia em níveis de restrição, que serão aplicados conforme a região e o setor econômico. No entendimento do Executivo, isso se justifica porque as regiões do Estado apresentam diferentes velocidades de transmissão e contam com estruturas diferenciadas de atendimento.

Sendo assim, o nível de distanciamento será controlado pela capacidade de resposta de saúde e pelo comportamento da pandemia no território. Divididas em níveis de risco – baixo, médio/baixo, médio e alto –, a capacidade de resposta será constantemente monitorada, podendo ser alterada conforme a evolução de casos.

Leite garante que decisões são tomadas a partir de dados científicos, como projeções de avanço da doença

O governador afirma que, focado na preservação de vidas, o RS não deixa de lado a preocupação com a economia, afetada pela pandemia: “Sendo assim, o distanciamento controlado será adotado com restrições estabelecidas de maneira específica para cada setor econômico, levando em consideração os riscos de transmissão impostos pela atividade e a importância econômica de cada um”. Os setores serão divididos em seis grupos: varejo (vestuário, informática etc.), construção, indústria/agricultura, eventos, serviços essenciais e educação.

“Estamos fazendo um esforço para que tenhamos um modelo de distanciamento que seja mais sustentável. Uma vez que conviveremos com esse vírus por um longo período, precisamos dessa sustentabilidade que permita que consigamos proteger a vida e, de outro lado, mantermos a atividade econômica, gerando riqueza. Esse é o equilíbrio que buscamos, que só é possível porque, agora, temos mais dados e informações”, reforçou Leite.

Por fim, o Executivo definirá protocolos a serem respeitados pelos municípios e pelos diferentes setores econômicos. As medidas incluem o que vem sendo adotado até agora – distanciamento entre as pessoas, hábitos de higiene, restrição de horários e revezamento de pessoal -, mas novas obrigações terão de ser adotadas. Vale lembrar que, segundo o governador, todos os indicadores serão constantemente monitorados e uma região ou um setor pode se encontrar em um nível e, com o passar do tempo, ter de se adaptar a novas restrições, mais rígidas ou mais flexíveis.

Leite também agradeceu a colaboração de todos os gaúchos que, em maioria, adotaram as medidas necessárias de higienização e de distanciamento social. “O RS tem sido exemplo no combate ao coronavírus, com índice de letalidade baixo, e essa é uma vitória coletiva, de todos nós”, garantiu, lembrando que a luta contra o coronavírus está longe do fim.

Conselho de Crise
Na noite desta segunda-feira (20/4), Leite se reuniu, por videoconferência, com todos os participantes do Conselho de Crise, que envolve o secretariado e diferentes setores da sociedade. O governador apresentou o distanciamento controlado e abriu um espaço, até o dia 23 de abril, para envio de sugestões para adoção de indicadores e protocolos. Todos os participantes devem observar as recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS) e propostas já adotadas em outros países e Estados. Para 28 de abril, está prevista uma nova apresentação do modelo de distanciamento social controlado.

Para cessar o documento com o Modelo de Distanciamento Controlado no RS, clique aqui.

PUBLICIDADE