Em ótima companhia em qualquer lugar
Rádio Difusão, a sua melhor escolha
Sintonize conosco e fique por dentro de tudo
Ouça os melhores lançamentos musicais

Montadoras veem produção comprometida também em 2022

Publicado 7/12/2021 às 08:01

Montadoras veem produção comprometida também em 2022 | Foto: Alina Souza / CP

Depois de mais um ano de provações, o setor de automóveis não se mostra otimista ao pensar em 2022. Segundo o presidente da Anfavea (Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores), Luiz Carlos Moraes, os próximos trimestres serão ainda de falta de semicondutores e de diversas outras peças, dificuldades logísticas e entraves impostos pela crise econômica nacional.

Em entrevista coletiva da Anfavea na segunda-feira (6), Moraes disse que a pandemia de Covid-19 virou o setor de pernas para o ar. “Após um 2020 complicado, 2021 foi muito difícil”, comentou ao anunciar que a previsão de crescimento na produção deste ano está entre 6% e 10%. Seria muito se a comparação não fosse como fraco primeiro ano da pandemia, no qual as montadoras chegaram a ser fechadas. Em 2020 saíram das montadoras 1,805 milhão de veículos, enquanto neste ano, somados 11 meses, o total é de 2,038 milhões. Em 2019, antes da  Covid-19, este número chegou a 2,774 milhões.

Luiz Carlos Moraes contou que o segmento começou a se desestruturar antes ainda de o primeiro infectado pelo novo coronavírus chegar ao Brasil. “Em fevereiro de 2020, quando a doença estava restrita à China, a produção de insumos nas fábricas de lá começou a nos deixar preocupados”, disse. “Logo em seguida, parou a economia mundial, o tempo foi passando e aí veio o segundo problema, da desorganização da cadeia global: havia poucos navios, contêineres, frete muito alto, lentidão na entrega. As peças começaram a sumir e surgiu um desafio que ninguém esperava nessa proporção, a escassez de semicondutores”, acrescentou.

O presidente da Anfavea explicou que cada veículo utiliza em média mil condutores para funcionar plenamente. Falou ainda que os carros mais modernos podem usar o dobro desses componentes, que estão em falta no mercado porque o maior fabricante do planeta, a China, não consegue suprir a demanda mundial.

Nas contas da associação, ao menos 300 mil veículos deixaram de ser fabricados no Brasil por causa da pouca oferta de insumos durante a pandemia. No mundo, esse número pode chegar a 12 milhões de unidades.

“A gente queria uma retomada mais forte neste anos. Estávamos imaginando crescer 25%, mas infelizmente a questão dos semicondutores nos prejudicou”, lamentou, citando ainda que a valorização das commodities e o dólar alto deixaram ainda mais caras as peças importadas. Para o ano que vem, Moraes ainda não tem uma projeção dos dados do setor, mas sabe que pouca coisa deve mudar.

“Para 2022 continuaremos a ter falhas na logística. A estabilização se dará mais para o final do ano e início de 2023. Semicondutores continuam sendo um problema que só em 2023 deve ter solução.”

Superadas as barreiras estruturais, próprias do setor automobilístico, vem outro desafio: a economia  nacional. “A gente tem uma situação grave no Brasil com o aumento da inflação, a elevação da taxa Selic tem impacto direto nos financiamentos e o PIB (Produto Interno Bruto) já tem revisão para baixo”, listou o dirigente.

por R7