Em ótima companhia em qualquer lugar
Rádio Difusão, a sua melhor escolha
Sintonize conosco e fique por dentro de tudo
Ouça os melhores lançamentos musicais
Toque Sertanejo
Apresentação
Docimar Schmidt e Paulo Frizzo
Rádio Cidade
Apresentação Francisco Basso Dias
PUBLICIDADE

Pai de criança vítima de ataque em creche de SC desabafa: ‘Buraco no peito que nunca vai sarar’

Publicado 5/05/2021 às 08:24

Anna era uma menina carinhosa segundo o pai: “Sempre fazia amizades onde estava” — Foto: Leonardo Felipe Fernandes de Barros/Arquivo Pessoal

O pai de Anna Bela Fernandes de Barros, de 1 ano e 8 meses, uma das cinco vítimas do atentado em uma creche de Saudades, no Oeste Catarinense, na terça-feira (4) disse que a família está desolada após a perda da menina. Leonardo Felipe Fernandes de Barros afirma que não conhecia o suspeito e que a família ainda não sabe como vai enfrentar o luto.

“Não tenho palavras para explicar [o que estou sentindo]. Só existe um buraco em nossos peitos que nunca vai sarar”, disse. O pai da criança relembrou os bons momentos que passou com a filha. Segundo ele, Anna Bela era carinhosa e meiga com todos ao seu redor. “Ela é um verdadeiro anjinho. Uma de suas primeiras palavrinhas foi justamente ‘carinho’, porque ela adorava fazer em todos. Sempre estava correndo e sorrindo. Sempre fazia amizades onde estava”, concluiu.

Nas redes sociais da família, parentes e amigos lamentaram a morte prematura da segunda filha do casal. “Meus sentimentos a vocês nesse momento de tamanha dor e sofrimento. Sintam-se fortemente abraçados”, escreveu uma amiga da família.

Durante a tarde de terça-feira, moradores de Saudades prestaram homenagens às vítimas com fotos e flores deixadas em frente à creche. O velório das cinco vítimas é coletivo, segundo a prefeitura, no Parque de Exposições Theobaldo Hermes, onde funciona o ginásio da cidade. No local, uma missa de corpo presente será celebrada as 9h na quarta-feira (5).

Atentado

O suspeito, um jovem de 18 anos, invadiu a escola infantil Pró-Infância Aquarela armado com duas faca. O homem esfaqueou e matou, segundo a Polícia Civil, três crianças e duas funcionárias da unidade. Um bebê de 1 ano e 8 meses também foi ferido, foi socorrido, passou por cirurgia e está na UTI.

O suspeito foi contido pela vizinhança e preso pela polícia. Ele deu golpes contra o próprio corpo e está internado em estado grave, segundo o delegado Jerônimo Ferreira.

O que se sabe até agora:

  • Um homem de 18 anos invadiu a escola Aquarela com duas facas às 10h de terça (4).
  • A creche fica na cidade de Saudades (SC), 600km de Florianópolis, e atende crianças de 6 meses a 2 anos.
  • 20 crianças estavam no local sob os cuidados de 5 professoras.
  • A primeira pessoa que o assassino atacou foi a professora Keli Adriane Aniecevski. Mesmo ferida, ela correu para uma sala, onde estavam quatro crianças e a agente educativa Mirla Renner, de 20 anos.
  • O homem chegou até a sala e continuou os ataques, matando Keli e três crianças. Mirla chegou a ser socorrida, mas não resistiu. Veja quem são as vítimas.
  • Todas as vítimas foram atingidas com, pelo menos, cinco golpes de facão.
  • O assassino tentou entrar em todas as salas da creche, mas professoras conseguiram se trancar e proteger as crianças.
  • Na casa do assassino, a polícia encontrou R$ 11 mil e duas embalagens de facas novas.
  • A única sobrevivente ao ataque é uma criança de 1 ano e 8 meses, que está na UTI.

 

Quem são as vítimas

Keli Adriane Aniecevski e Mirla Renner morreram uma escola infantil de Saudades (SC), após um ataque à faca nesta terça-feira (4) — Foto: Reprodução/Redes Sociais

Keli Adriane Aniecevski e Mirla Renner morreram uma escola infantil de Saudades (SC), após um ataque à faca nesta terça-feira (4) — Foto: Reprodução/Redes Sociais

  • Keli Adriane Aniecevski, de 30 anos, era professora e dava aulas na unidade havia cerca de 10 anos
  • Mirla Renner, de 20 anos, era agente educacional na escola
  • Sarah Luiza Mahle Sehn, de 1 ano e 7 meses
  • Murilo Massing, de 1 ano e 9 meses
  • Anna Bela Fernandes de Barros, de 1 ano e 8 meses.

Uma professora da escola, que não estava na unidade no momento do ataque, disse que, segundo relatos, funcionárias esconderam os bebês quando o assassino começou o ataque.

por G1