Em ótima companhia em qualquer lugar
Rádio Difusão, a sua melhor escolha
Sintonize conosco e fique por dentro de tudo
Ouça os melhores lançamentos musicais
Canto Nativo
Apresentação Docimar Schmidt
Alvorada Musical
Edeovaldo Dias dos Santos

Parque Histórico Nacional das Missões recebe obras de conservação

Publicado 24/06/2020 às 04:24
Sao Joao Batista, sitio tombado na regiao das Missoes Jesuiticas, RS, patrimonio historico da humanidade pela UNESCO, administrados pelo IPHAN, Instituto do Patrimonio Historico e Artistico Nacional

São João Batista, sítio arqueológico tombado na região das Missões Jesuíticas, no RS  | Foto: Eneida Serrano/Acervo Iphan

Os povoados missioneiros criados pelos jesuítas e índios Guarani nos séculos XVII e XVIII, em território que hoje engloba parte do Brasil, da Argentina e do Paraguai, deixaram estruturas remanescentes que marcam a história brasileira. Para preservar essas ruínas e sua memória, o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), autarquia vinculada ao Ministério do Turismo, realiza continuamente um trabalho de conservação nos sítios históricos e arqueológicos que compõem o Parque Histórico Nacional das Missões, no Rio Grande do Sul.

Nesta última semana de junho, recomeça mais uma etapa desse trabalho com as obras de conservação e recuperação da frontaria e das arcadas das ruínas da antiga igreja de São Miguel Arcanjo, no sítio histórico de São Miguel Arcanjo, em São Miguel das Missões (RS). A obra também inclui as estruturas em ruínas dos sítios de São João Batista e São Lourenço Mártir, localizados nos municípios de Entre-Ijuís e São Luiz Gonzaga, respectivamente. Segundo o Iphan, ao todo, o conjunto de ações conta com investimentos de mais de R$ 656 mil.

Os trabalhos de consolidação nos sítios chegaram a ser iniciados em março, com a execução de serviços preliminares relativos a instalações provisórias, mas foram interrompidos em seguida devido às medidas de segurança recomendadas durante a pandemia do novo coronavírus.

“Agora, as obras serão retomadas, começando pelo sítio de São João Batista, com uma previsão de 12 meses de execução”, revela a direção do Instituto. “Os serviços previstos visam estabilizar estruturas desagregadas, sanar pontos de infiltração e realizar tratamentos para evitar o ingresso de novos pontos de umidade, problemas que decorrem do desgaste natural das edificações ao longo do tempo e de eventuais intempéries.”

 

PUBLICIDADE