Em ótima companhia em qualquer lugar
Rádio Difusão, a sua melhor escolha
Sintonize conosco e fique por dentro de tudo
Ouça os melhores lançamentos musicais
Canto Nativo
Apresentação Docimar Schmidt
Alvorada Musical
Edeovaldo Dias dos Santos

Saiba como funciona o PCR, exame que detecta o novo coronavírus

Publicado 17/03/2020 às 12:09
Imagem: Vector Kunst/Pixabay

Imagem: Vector Kunst/Pixabay

*Por Nicola Ferreira, da Agência Einstein

O Hospital Israelita Albert Einstein decidiu ontem, segunda-feira, 16, suspender a realização de exame PCR para detecção do vírus causador da Covid-19 em indivíduos assintomáticos, sintomáticos leves, com pedido médico e também a coleta domiciliar de amostras para a execução do teste. O objetivo é usar o recurso apenas nos casos graves, que necessitam de internação. A medida foi tomada como forma de racionalizar a utilização do teste e evitar seu desabastecimento. O hospital tem a capacidade de realizar cerca de 3,5 mil por dia. O número de exames diários aumentou gradualmente, atingindo a marca de 1,7 mil no último fim de semana.

O teste é a resposta final e precisa sobre a presença do vírus na amostra analisada. Foi por meio dele que, no dia 24 de fevereiro, confirmou-se primeiro caso da Covid-19 no País. A identificação ocorreu no laboratório da instituição, utilizando a técnica conhecida como RT-PCR (sigla em inglês para Transcrição Reversa seguida de Reação em Cadeia da Polimerase). O método, utilizado em laboratórios desde 1983, pode ser aplicado em diversas áreas da pesquisa e do diagnóstico, como detecção de outros vírus, além de estar em avaliação para uso da análise do perfil genético de tumores.

Como funciona?
A primeira ação do RT-PCR é o uso da enzima transcriptase reversa para transformar o RNA do vírus em DNA complementar, também chamado de cDNA. O RNA é produzido a partir de uma molécula de DNA e apresenta informações com as quais é possível coordenar a produção das proteínas. Depois de ter sido transformado, são inseridos dois primers, que são fitas simples de DNA, para auxiliar a amplificação do material genético em 100 milhões de vezes. Com uma sonda complementar ao vírus procurado é possível observar se o conteúdo molecular é correspondente ao do agente infeccioso que os pesquisadores estão investigando.

PUBLICIDADE