Em ótima companhia em qualquer lugar
Rádio Difusão, a sua melhor escolha
Sintonize conosco e fique por dentro de tudo
Ouça os melhores lançamentos musicais
Toque Sertanejo
Apresentação
Docimar Schmidt e Paulo Frizzo
Rádio Cidade
Apresentação Francisco Basso Dias
PUBLICIDADE

Vendas no comércio batem recorde em abril e registram melhor resultado para o mês desde 2000

Publicado 8/06/2021 às 09:30

Comércio está 0,9% acima do patamar pré-pandemia
PAULO WHITAKER/REUTERS

As vendas do comércio varejista no Brasil subiram 1,8% em abril, na comparação com março, segundo dados divulgados nesta terça-feira (8), pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Trata-se da maior alta para o mês desde o ano 2000.

O resultado, que reverte a perda de 1,1% registrada no mês de março, recoloca o setor 0,9% acima do patamar que antecedeu a chegada da pandemia do novo coronavírus no Brasil. O segmento agora acumula crescimento de 4,7% no ano e de 3,6% nos últimos 12 meses.

Segundo Cristiano Santos, gerente responsável pela pesquisa, o mês contou com muitas inversões entre as atividades que compõem a PMC (Pesquisa Mensal do Comércio). “Algumas atividades que estavam indo bem começaram a cair e outras que estavam caindo começaram a crescer. Abril foi um momento em que as grandes lojas de móveis e eletrodomésticos acabaram focando na receita de consumo das famílias”, aponta ele.

Setores

O resultado positivo foi puxado sete das oito atividades investigadas pela pesquisa, sendo a maior alta apurada por móveis e eletrodomésticos (24,8%).

Outras variações positivas vieram dos setores de tecidos, vestuário e calçados (13,8%), equipamentos e material para escritório, informática e comunicação (10,2%), outros artigos de uso pessoal e doméstico (6,7%) e livros, jornais, revistas e papelaria (3,8%),

Em menor ritmo, também cresceram no período as vendas de combustíveis e lubrificantes (3,4%) e de artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (0,9%).

Por outro lado, o único resultado negativo do mês de abril partiu do grupo de hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (-1,7%). A queda fez com que o índice geral não fosse maior, já que o setor representa quase metade (49,2%) do volume de vendas pesquisado.

“O consumo das famílias se modificou em termos de estrutura no começo da pandemia. O que tem acontecido é que, em alguns setores, o consumo tem se concentrado em momentos específicos do ano. Antigamente, esses momentos eram muito marcados, como a Black Friday e o Natal, agora o cenário mudou”, explica Santos.

por RI